17 de Março de 2011

Eles foram a fina flor ou lá posição social elevada num porte de pouca grossura ou sem uma espessura de pouca lá largura e o macio era agradável o seu tacto e com muito boa qualidade eram vistos com uma certa distânca e o chapéu na mão...

Foram aventureiros na sua audácia por estas terras de Gavião no Alentejo e por eles foram conquistadas ............................................................................................................................................................................................................................

Certamente que o blog "A TERRA do ALTO ALENTEJO" volta.

Não é e nunca o será uma imagem que vale por mil palavras. Ficará na filosófica campestre, a interrogação se esta sociedade conseguiu evoluir ou se ela apenas continua a ter o puro desejo de regredir. As dúvidas o blog tem, se ela não é mais racista com uma parceria ostracista e xenófoba em tempos que lá muito passados... 

 



 

 

Para lá daquilo que possa aparentar, o nobre senhor que não usa barba e nem bigode, o seu olhindo devia estar muito aberto para o negócio....

 

 

 

O blog acredita que foi pela mão da sua muito querida donzela e bela e muito querida filha e sua a lá formosura e umas terras por estas bandas e zonas do senhor do lado que a coisa se tornou um império e destrona o Ramiro Leão e não se lhe diga que não e que só se lhe deia Ramiro e Eusébio Leão ...............

 

 

 

 

 

 

 1 comentário:

 

Parece o blog estar um pouco enganado. É que a Donzela, neta, filha e sobrinha de Manuel, António e Adriano, apesar das suas muitas terras tinha o Império muito endividado. Foi graças ao Sr. do lado, homem da Anadia, com o seu dinheiro que o império foi recuperado, a ponte de Belver construída , o Gavião modernizado. Amigo de Ramiro e de Ester foi pelos amigos de Eusébio e outros patrícios, por bem fazer em Gavião, assassinado.
José Carmona a 28 de Fevereiro de 2011 às 10:22
 
 
Ora viva lá meu caro.
As minhas desculpas por só agora lhe responder. As desculpas essencialmente por não ser onde o amigo comentou. A razão se prende onde são vários espaços a dizer o mesmo, onde a razão fundamental se um dia tiver possibilidade de registar o meu domínio, se espera apenas que não se venha a ter problemas com o mesmo, por isso se está administrando vários espaços, na tentativa de fugir a um adversário e não encontrar o mesmo nome.
 
Diz o caro que estou enganado. É possivel. Mas sabe que tenho dúvidas. É apenas um puto desempregado que escreve e tenta registar um património num concelho, que não é o seu, a viver de um café por dia e sem nenhum rendimento minímo, sem dinheiro no bolso, até ao presente, digo-lhe que é uma vitória a informação que conseguiu até ao momento. Que lamenta não poder ir mais longe, porque o político da praça, o presidente da cãmara não lho permite, e, se calhar "pode estar um pouco enganado". Mas quando escreveu o que escreveu foi apenas e tão sómente baseado nas fotografias expostas e nelas apenas se inspirou. Na falta de informação, a que existe também lhe é recusada, então vamos para a ficção. Apenas e tão só falar de Eusébio e Ramiro é mesmo muita pouco num concelho que diz que apoia a cultura. Existe outros valores, como o Rolão Preto ou o capitão Mergulhão no séc. XV a serem valorizados... 
 
DELFOS
publicado por DELFOS às 03:10
13 de Fevereiro de 2011

José Lúcio Gouveia, foi o primeiro e único barão de Gáfete.

O título foi-lhe concedido por D. Carlos I, por decreto de 19-9-1890.
José Lúcio Gouveia, era filho de Manuel Joaquim Gouveia, capitão de milícias em Tolosa e de sua mulher Rita Leopoldina Biscaia Hortas.

Por seu pai descendeu de vários capitães-mores de Gáfete, desde o séc. XVII.
José Lúcio Gouveia casou com Inês Angélia Hortas Botelho, sua prima, e teve um único filho António Gouveia Botelho, que nasceu a 27-12-1883 o qual casou a 29-11-1906 com Ana da Silveira Magessi de quem tem dois filhos, Manuel e Mário Magessi Gouveia.

in "enciclopédia verbo"

publicado por DELFOS às 13:52
12 de Fevereiro de 2011

A Casa do Povo de Gáfete, de cuja direcção, como presidentes, se encarregagam os Srs. António Gouveia Botelho e Gervásio Gonçalves Carrilho, é uma instituição de grande valor na freguesia, dela colhento bastos benefícios os seus quatrocentos e dez sócios. Embora instalados numa sede bastante modesta, a sua acção é bastante vasta, quer no campo cultural, quer como assistencial.

A classe rural, olha com grande desvelo para a sua Casa do Povo, e com a sua presença e apoio, faz com que os seus dirigentes se esforcem cada vez mais e melhor. E, assim, vão dentro em breve pedir o auxílio do Estado, por intermédio da sua Junta Central, para que lhe seja concedido o subsídio necessário para a compra do terreno e construção da sua nova sede, integrando-se assim cada vez mais na função que lhe foi determinada. R. P.


Blog "ALENTEJO no NORTE" não sabe a data do referido texto e nem o nome onde foi colocado os elementos acima citados. Apenas sabe que o autor se assima por R. P.

publicado por DELFOS às 01:52

Mas muito se lhe agora em lá a generalis e agora se lá lhe diz a conquista lá o Tibete ou lá montanhas a montanha lá da zona ou de lá perto e se esquece em outrora os portugueses lá estiveram no séc. XVI e a coisa um bocadito mais difícil a fizeram e não havia limites e não deixa de ser a pedra em lá bravura...

É daquelas coisas "Somos os primeiros" e esta vila lá nos da frente e esta terra entre os primeiros. Que orgulho é lá que este povo...

É mesmo daquelas coisas que quem lá escreve, a satisfação, que não é Lisboa, a Lisboa o mesmo é este povo aqui tão perto...Daquelas coisas...

Nunca sabereis onde a escuridão começa...

Que se começa a escrever e logo... Fogo! Não sabe o blog "ALNTEJO no NORTE" se o Padre Manuel Dias, o amigo, homem lá do mundo, a alcunha, o cognominado «Sénior», o foi, a razão não esteve por ter um sobrinho também Manuel Dias, na igualdade, que na igualdade de posição celestial , o mais engraçado era também padre e ambos eram naturais de Alpalhão.

O primeiro e é neste que se vai falar nesta postagem.

Ele entra com dezasseis anos de idade no colégio da Companhia de Jesus.

É Évora.

Entra em Évora a 30 de Dezembro de 1576.

Não vale.

Blog lá não muita contente.

O blog confessa que não sabe quando nasceu. Não sabe quem era os seus pais lá em altura aquela em sua vida terrena...Sabe que o Reverendo partiu para a Índia em 1585. A nau que o transportava sofreu um acidente entre a Ilha de S. Lourenço e as costas de Sofala. Coisa lá aquela o célebre naufrágio está narrado na História Trágico-Marítima.

Muitos sofrimentos depois de muitos sofrimentos, o Padre Manuel Dias conseguiu chegar à Índia onde se ordenou de presbítero, iniciando então a sua vida de missionário.

Após dezasseis anos de experiências na Índia, em Goa onde terminou os seus estudos, em Chaul e Tana, onde foi responsável pelas residências jesuítas locais, entrou na missão da China onde lhe deram o apelido Li Mano-No Hai-lo em 1601.

Ano de 1596.

No ano de 1596 foi nomeado reitor do Colégio da Madre de Deus em Macau, sendo depois enviado a três províncias da China, deixando o cargo entre a Valentim de Carvalho.

A sua estadia em Nanquim baptizou um príncipe da família imperial que ali passava uma temporada e a quem deu o nome de José. Que não há um sem três - assim o pensa o blog - outros três familiares receberam a graça também pelo baptismo.

É Natal.

É dia de Natal.

No dia de Natal de 1608 Manuel Dias, inaugura uma igreja e duas capelas.

A vida não para.

Um ano depois era de novo chamado a Macau. Foi chamado a Macau para dirigir pela segunda vez, o colégio jesuíta.

Era prudente.

Este prudente religioso, profundo conhecedor da língua e culturas chinesas, escreveu em 1607 um "Memorial Apolegético", graças ao qual foi abortada uma perseguição contra jesuítas companheiros seus.

A informação.

A informação que em tempos modernos também não circula e diz que é democrática ou lá da terra do Crato. Em terras pequeninas a cuspir umas para as outras.

A informação?

Quem dá o que tem ou lá Lua passeira que não passa e mas Viva lá o Sol que tudo mostra e tudo revela em escuridão de alguma gruta que mais que seja ela lá resgatada.

É um período.

Será sempre o tempo.

Segue-se um período de escassa informação sobre o seu trajecto. Mas branca. Branca é a folha é a pureza ou folha de papel que nunca se escreve. Mas o blog compreende. Como o blog consegue lá compreeder tão bem aquele tempo lá passado...

Não sabe se na modernaça u é lá ainda mais que pior em tempo moderno que lá não aventureiro.

Sabe-se apenas que estava ainda em Macau em 1619.

Sabe-se que em 1636 Manuel Dias era nomeado Visitador da China, Japão, Tonquim, da Conchichina e dos Reinos de Sião, Ava, Camboja e Laos.

Um ano depois escrevia ao superior dos jesuítas, sugerindo-lhe que enviasse para o Oriente padres de diferentes nacionalidades, cada um deles com um talento especial, fosse no campo da pintura, da matemática, astronomia ou outra qualquer ciência ou arte...

Que homem ou lá a grandiosidade de fulano humano e tão do blog.

Manuel Dias faleceu em 1639.

Faleceu com oitenta anos de idade.

Está sepultado em Macau.

Na sua pedra tumular reza o seguinte: «O Padre Manuel Dias Visitador falleceo aos 22 de Novembro de 1639 está enterrado na Capella mor junto ao pé do arco da banda do Espírito Santo, começando da 3.ª pedra vermelha para dentro, e he a mesma cova em q. foi enterrado dantes o pe. Jeronimo Rois de Carvalho»....

Escreveu as cartas onunas de 1625 e de 1629, pelas quais é considerado um notável orientalista.

Nota:

Trabalho muito bem feito e a maior parte é transcrita de "Hojemacau-30-03-2007".

Foi um trabalho que o blog gostou muito de fazer.

É daquelas coisas que parece que se sente um orgulho em ser português. Não deixa de ser daquelas coisas em informação com que se estava a jogar, não deixa de existir muita contradição entre ela e das coisas que sobressai, entre algumas, é o dia da morte e o local onde está sepultado...


O blog talvez venha a voltar ao assunto.

publicado por DELFOS às 01:17
18 de Janeiro de 2011










 














Digo-vos, esta nobre e doce Vila de Alpalhão, ela me parece a cosmopolita Lisboa. Não tem Universidades e ela é uma terra de doutores e de grandes crâneos. Seres humanos donos do conhecimento e ocuparam lugares chaves e atingiram o topo. Alguns deles aventureiros e andaram pelo mundo. Escusado será dizer, as fotos expostas, as ditas, elas foram tiradas do Albúm Alentejano de Pedro Moura. Não sabe o blog "Gavião no Alentejo", esta Vila, a nobre e doce Vila de Alpalhão, a grandiosa, ela deve ao Pedro Moura o seu passado grandioso ou ao Dr. Joaquim Dias Loução o seu passado... E o Albúm, o do Pedro Moura, o blog, a coisa a leva para os anos trinta do século passado

 










publicado por DELFOS às 14:30
17 de Janeiro de 2011

A Freguesia de Gáfete é das mais ridentes. Assim meus amigos, um pequeno texto começa e assinado por - R.. P. 
O blog não sabe a sua origem e data. Acredita que a situação reportada ela foi no tempo da outra velha senhora e num Estado Novo muita feroz.

A freguesia de Gáfete é uma das nais ridentes do concelho do Crato.
Encravada no concelho de Nisa e ladeada por duas importantes freguesias desse concelho, tem a respectiva Junta feito todos os esforços, para que, em mátéria de melhoramentos, não a deixe ficar mal colocada no seu concelho, num possível confronto com as freguesias vizinhas.
E, assim, meteu ombros à organização do serviço do cemitério, o qual há muitos anos se encontrava desorganizado, bem como  às obras de melhoramentos e conservação dos respectivos  muros.

A Junta já tem uma sede própria, tem em projecto a reparação de alguns caminhos, considerados intransitáveis, para o que conta com o auxílio da Câmara, aspirando o povo desta freguesia, que seja concluída a estrada que liga à sede do concelho.
Muitos outros melhoramentos têm sido feitos. Mas a respectiva Junta, sobre a presidência do Sr. Armando Matos Cordeiro Metela, entendeu que não mereciam ser dados à publicidade, dando assim provas de uma invulgar modéstia, que salientamos - que salienta - R. P.

E foi assim meus amigos, algures, no século passado, estas terras de Gáfete, entre a graciosa Vila de Tolosa e a mais nobre e doce Vila de Alpalhão, um dia, um dia aconteceu...
publicado por DELFOS às 11:08
16 de Janeiro de 2011

A Casa do Povo de Gáfete, de cuja direcção, como presidentes, se encarregagam os Srs. António Gouveia Botelho e Gervásio Gonçalves Carrilho, é uma instituição de grande valor na freguesia, dela colhento bastos benefícios os seus quatrocentos e dez sócios. Embora instalados numa sede bastante modesta, a sua acção é bastante vasta, quer no campo cultural, quer como assistencial.
A classe rural, olha com grande desvelo para a sua Casa do Povo, e com a sua presença e apoio, faz com que os seus dirigentes se esforcem cada vez mais e melhor. E, assim, vão dentro em breve pedir o auxílio do Estado, por intermédio da sua Junta Central, para que lhe seja concedido o subsídio necessário para a compra do terreno e construção da sua nova sede, integrando-se assim cada vez mais na função que lhe foi determinada. R. P.

Blog "Gavião no Alentejo" não sabe a data do referido texto e nem o nome onde foi colocado os elementos acima citados. Apenas sabe que o autor se assima por R. P.
publicado por DELFOS às 13:57
Abril 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

arquivos
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO