17 de Fevereiro de 2011

A indústria da tecelagem caseira teve aqui relativo desenvolvimento, havendo um selador privativo dos panos de Gáfete.
No livro 28 das Chancelarias reais, a folha 52, vem uma carta para as suas tecedeiras terem pesos de ordenação. E no livro 3 das mesmas chancelarias, vem outra carta concedendo a Domingos Afonso a propriedade do ofício de selador dos panos de Gáfete;

Em 1644 a Câmara de Gáfete passou a pagar Fazenda 20$000 réis por ano para as despesas da Guerra da Restauração, isto porque a Câmara de Marvão, que pagava 487$060 réis, requereu para ser aliviada desta sisa e assim aquela quantia foi dividida pelas diferentes Câmaras da Província;


Também o Provedor da Câmara de Portalegre sobrecarregou a Câmara de Gáfete com 1500 réis, isto porque requereu ao Rei D. João V (em 1744) que lhe fosse concedido um subsídio anual para aposentadoria. Foi-lhe concedido o subsídio, que era de 30$000 réis, pago também pelas diferentes Câmaras;
O Ajudante do Sargento - mor do Crato requereu que os 40$000 réis do seu ordenado fosse suportados igualmente pelas Câmaras e lá ficou Gáfete sobrecarregada com mais 48$000 réis.

(Notas recolhidas pelo professor Viriato Nunes Crespo, através do professor Manuel Subtil (Torre do Tombo 105 Gaveta 5 - Março 1, nº 47))

http://aaccrato.no.sapo.pt/gafethst.htm
publicado por DELFOS às 08:10
10 de Fevereiro de 2011

"Arez da Idade Média à Idade Moderna: um estudo monográfico Leitão, Ana Cristina Encarnação Santos Tese de mestrado em História Regional e Local apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 2008 http://catalogo.ul.pt/F/?func=item-global&doc_library=ULB01&type=03&doc_number=000546695

http://hdl.handle.net/10451/1738"

publicado por DELFOS às 10:27

É daquelas coisas que nunca pode haver consentimento e consenso. É a "guerra dos números". Eles serão sempre utilizados a seu bem entender, seja lá quem esteja no poder. Pena é que os números, uma vez na vida, não seja lá uma vez um ponto de reflexão e uma mudança na procura de um outro caminho. Nunca pode haver uma política que não seja baseada neles. Se ela a existir, o blog acredita, o seu conhecimento não faz parte das pessoas.

O problema deste concelho, o problema estrutural deste concelho - dos outros também se calhar - a informação não circula.

O blog se está lembrando, finais dos anos noventa, ao INE escreveu a perguntar e a pedir informação sobre como estava lá a coisa dos números. Claro que recebeu resposta. Ela trazia três fotocópias, e toma lá que já aprendestes, 1100$00.

Claro que apitou o combóio...

Mas sempre acreditou e acredita que se esbanja lá o conhecimento e o que para muitas pessoas a coisa não funciona assim.

Podia ficar quieto. Não podia ficar quieto...

O conhecimento o podia guardar e o não ter dado a provar e "qual é coisa qual é ela" o tenta publicar no estimado Jornal "Gavião com Voz" e a coisa foi parar ao caixote do lixo e até agora nada...

Moral da história lá passageira, a coisa a guardou e a começou a publicar agora.

Neste mundo da Internet, podendo lá ser muito tenebroso mas de luz, fazendo uma pesquisa assim numa muito ligeira, o concelho de Gavião foi o concelho juntamente com o de Almeida e Pampilhosa que perdeu mais população em 2008...

Os outros:

- Alter do Chão em 11,3%;

- Arronches em 7,8%;

- Avis em (?);

- Campo Maior em 1,7%;

- Castelo de Vide em 6,6%;

- Crato em 14,1%;

- Elvas em 4,5%;

-Fronteira em 9,5%;

- Marvão em 8,8%;

-Monforte em 9,7%;

- Nisa em 13%;

- Portalegre em 5%;

- Sousel em 6%.


Não.

Não é o número de habitantes da vila Gavião. É o número de habitantes do concelho de Gavião.

Que as coisas mudam. Assim a coisa se espera. Em 2011, a coisa apenas se verá...Não se comece a pensar diferente e depois se lhe tente tapar a boca.

publicado por DELFOS às 01:47

Data

Dependia de

Faziam depender

Extinguia-se a dependência

1519

Foral Da Vila de Gavião

1519

Almoxarifado de Abrantes

sec XVI e XVII

Almoxarifado de Amiera

Almoxarifado de Abrantes

1705

Priorado do Crato

Almoxarifado de Amiera

1759

Priorado do Crato

Vale da Carreira, Degracia, Montinho, Atalaia, Encarreiradas, Cadafaz, Amieira Cova e Vale Carvalho

1833 a 1835

Comarca de Castelo Branco

Priorado do Crato

1834

Concelho de Margem

1835

Julgado de Alpalhão

Comarca de Castelo Branco

1836

Comarca de Portalegre

Freguesia da Comenda, Concelho de Belver, Freguesia de Alvega, Concelho de Amieira, Concelho de Vila Flor, Concelho de Longomel,

Julgado de Alpalhão

1836

Comarca de Nisa

Comarca de Portalegre

1838

Freguesia de Alvega, Concelho de Vila Flor,

1895

Freguesia de Amieira

1895

Extinção do Concelho de Gavião

1898

Retoma do Concelho de Gavião

1898

Comarca de Mação

Freguesia da Comenda, Freguesia de Atalaia, Freguesia de Belver, Freguesia de Margem

Comarca de Nisa

1933

1944

Comarca de Nisa

Comarca de Mação

1945

Comarca de Abrantes

Comarca de Nisa

Actualidade

Distrito de Portalegre

Freguesia da Comenda, Freguesia de Atalaia, Freguesia de Belver, Freguesia de Margem, Freguesia Gavião

Comarca de Abrantes

(Fonte: "Gavião - Memórias do concelho"; Patrão, José Dias Heitor; edições Colibri 2003; páginas 89 a 112)

http://gaviao.do.sapo.pt/Plusgaviao.htm

http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:WnHzQG1SW9oJ:home.fa.utl.pt/~al066544/Gavi%C3%A3o.doc+a+cultura+do+arroz+no+concelho+de+gaviao&cd=7&hl=pt-PT&ct=clnk&lr=lang_pt&client=gmail

publicado por DELFOS às 01:02
08 de Fevereiro de 2011

Própriamente no que concerne à fundação da paróquia e, evidentemente, da igreja de Santa Maria de Tolosa, é de notar que o foral de 1262 já se refere a clérigos n.. população da vila, aos quais esse diploma estende as imunidades (O blog julgava que a palavra era moderna...) dos cavaleiros-vilãos locais: «clerici vero habeant mores militum» "termo que, aqui,não significa cavaleiros-fidalgos).
Em todo o caso, a melhor prova de que a igreja já existia em tal data, mostrando ainda por esta via a anterioridade da vila, já manifestada, e até do concelho respectivo, já com toda a razão presumida, está a disposição de dízimas, que devem dar-se à igreja.
Não se fala, como tantas vezes sucede, de igrejas, vagamente, mas de uma só, que parece bem definida.
Á Ordem do Hospital se deve atribuir a iniciativa da fundação da igreja de Santa Maria de Tolosa (hoje invocada por N.ª S.ª da Encarnação), pois que os hospitalários sempre tiveram o seu padroado.
No séc. XVIII, de facto, ainda o prior do Crato, na dita Ordem, apresentava o cura de Tolosa com a mesquinha renda anual de 120 alqueires de trigo, uma pipa de vinho e 2 mil réis em dinheiro, o que surpreende bastante no grão-priorado em que a antiga vila se incluía, o qual era rico.

A igreja matriz, completamente restaurada em 1925, é um templo do séc. XVI. Mas deste tempo conserva poucos elementos. O portal, de granito, é de arco redondo, com empostas e guarnição superior em blocos aparelhados. A torre, à direita, tem três olhais de volta abatida e cúpula em parede hexagonal. Na frontaria, sobre a janela central, vê-se um medalhão com as letras e datas: R. 1882 F. 1682. O interior é de uma só nave com o tecto de três esteiras; tem capela-mor e quatro altares,, sendo dois no cruzeiro e dois no corpo da igreja. (1)

(1) in "Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira da Cultura".

publicado por DELFOS às 08:00



A Anta da Horta localiza-se dentro da Coudelaria de Alter do Chão e foi intervencionada pelo Prof. Jorge de Oliveira, nos anos de 2001, 2003 e 2004.
Coordenadas (GPS): 07º 40´40.7´´W / 039º 13´31.3´´ N
Foram identificados três enterramentos em conexão anatómica, na câmara, tendo um deles (maxilar) sido datado por C14 - 3350 a 3020 (cal BC a dois sigmas).
No corredor, foi realizada uma datação de C14, a partir de um calcâneo: 2800 a 2760 (cal BC a dois sigmas).
Em termos de espólio, recolheram-se: cerâmicas lisas e decoradas, placas de xisto e de arenito, lisas e decoradas, pedra polida, pedra lascada, objectos de adorno.
(J. de Oliveira, Património Arqueológico da Coudelaria de Alter, 2006
publicado por DELFOS às 02:59
02 de Fevereiro de 2011

No espaço da "mais ouvida no Alentejo" e em http://www.radioportalegre.pt/index.php?option=com_content&task=view&id=3545&Itemid=54 se pode ler: "

"Alter do Chão vai ter um novo Centro Escolar com capacidade para mais de 200 alunos.

Segundo avançou o presidente do município local, trata-se de um investimento na ordem dos 1,7 milhões de euros que "vai permitir que o ensino desde o pré-escolar até ao secundário, seja feito no mesmo espaço físico".

Joviano Vitorino disse ainda que a obra tem início previsto no primeiro semestre deste ano.

Esta candidatura foi apresentada em Setembro de 2010 de acordo com o Processo de Contratualização entre a Autoridade de Gestão do INALENTEJO e a Comunidade Intermunicipal do Alto Alentejo, no âmbito da Requalificação da Rede Escolar do 1º Ciclo do Ensino Básico e de Educação Pré-Escolar.

Foi aprovada a candidatura para a construção do novo Centro Escolar, e o concurso público já foi lançado.

Trata-se de um investimento de 1,7 milhões de euros, com uma taxa de co-financiamento de 80% do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER).

Joviano Vitorino, Presidente da Câmara, explica que “o Centro Escolar será construído no espaço da Escola EB 2,3/Sec. Padre José Agostinho Rodrigues e pretende dotar o Município de Alter do Chão de uma resposta em equipamento escolar moderno, e potenciador da melhor qualidade do ensino no Concelho de Alter”."

Susana Mourato

publicado por DELFOS às 05:11

O tinha já dito.

O regista no blog http://p-m.blogs.sapo.pt e espaço do seu amigo Paulo Matos.

A memória a lá registando "O tema me sugere, na minha opinião pessoal, verbas que, o poder central manda menos dinheiro, menos dinheiro, menos obras, menos desenvolvimento local.

Outra coisa que também me está parecendo, vai ser, o tema da mobilidade autárquica, alguns serviços vão ter que reduzir o seu pessoal. Não se pense o contrário."

Mas confessa o blog, "ALENTEJO no NORTE" confessa, nunca pensou que coisa e assunto o fosse assim lá tão rápido e a maneira assim como ela e ele se está manifestando nestas terras deste Alentejo e uma interioridade tão profunda e tão esquecida.

Sempre a devida coisa e a confessa na palavra que mais que prata e assunto mencionado a entendeu muito lá depois e lá dos censos de 2011...

Ora vamos lá assim meu povo e minha boa gente... Mas é a reallidade que se fala e é o que aí vem e é a seguir.

Andando o blog assim em suas viagens cerebrais, passeando numa olhada em terras do vizinho Crato, a Acta, a da referida camarária, a de 6/2010, 17 de Março "O Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos informou, através do ofício anexo e parte integrante da presente proposta, que face à adopção de um estudo realizado no seio da Direcção Geral de Contribuições e Impostos (DGCI) existe o real perigo de a muito curto prazo ser encerrado o Serviço de Finanças existente no Município do Crato.
Informou, ainda, que o quadro legal do Serviço de Finanças do Crato passará de 7 para 2 Funcionários, incluindo chefias, solicitando desta forma uma intervenção nesta matéria."

E a coisa lá continuando, o blog "Terras de Gavião" confessa que ainda não passou da n.º 8, coisa assim a voltar outra vez ao princípio, muito material a estudar, e na n.º 8, a acta n.º 8/2010, de 15 de Abril, na mesma "Aprovar moção relativa à redução de pessoal nos serviços de finanças do distrito de Portalegre, manifestando preocupação com este cenário e deliberando "não aceitar a decisão de reduzir os postos de trabalho da DGCI" advertindo o governo para as consequências de tal postura que prejudica gravemente a região". "

Ora lá que ficando no n.º 8, não lhe tomando assim a dianteira, apenas o blog fica com a sensação, a moção referida, a morada tem assim que parece, AMNA - agora tem outro nome. O blog informa, ficou apenas com o presentimento, a moção não está bem explicada donde veio.

Com isto, apenas dizer, não serão todos, não serão os quinze, mas alguns o são são, afectados. Primeiro as escolas, a seguir as finanças...

Temos que terminar.

Antes de terminar, na Câmara Municipal do Crato, a acta n.º 5/2010, de 3 de Março "O Presidente da Câmara do Crato e os representantes dos Municípios supra identificados, chamaram a atenção dos citados Grupos Parlamentares para os seguintes factos:~
- O distrito de Portalegre, com 15 concelhos, tinha em 1950, mais de 200 000 habitantes, hoje tem apenas cerca de 118 000 habitantes, ou seja, perdeu mais de 80 000 habitantes, mais de 41% da sua população.
- Os concelhos de Alter do Chão, Avis, Crato e Fronteira hoje têm menos respectivamente, 64%, 45%, 63% e 59% da população que tinham em 1950"...

E depois diz que uns não são enteados e que são todos filhos... E ao que isto não chegou!

publicado por DELFOS às 01:26
Abril 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

arquivos
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO