21 de Fevereiro de 2011

INAUGURAÇÃO DO PERCURSO PEDESTRE ARRIBAS DO TEJO DIA 26 DE MARÇO

Tem a data de 2011-02-11.

A notícia é lançada no espaço e na net da Câmara Municipal de Gavião.

Embora as datas não combinem, a notícia tem o cunho da INATEL e lá foi colocada em primeira mão em sua revista. Tem a data de Fevereiro de 2010 a revista TEMPO LIVRE da INATEL.

Não combina.Vai assim uma grande diferença entre os pontos. Não combina e vai assim uma grande diferença entre os pontos...

Que importa pois lá a coisa o blog "ALENTEJO no NORTE" quer acreditar no 2-11.

Mas mais do que o número é o nome encontrado.

Arribas do Tejo o blog gosta muito. Nome muita bem conseguido e muita forte. Em três palavras se resume a coisa como deve ser. Nesta vez os criativos da organização estiveram à altura do seu verdadeiro nome e lhe fizeram juz...

Mas começa na revista ""Arribas do Tejo" é um pequeno percurso de pequena rota.

Trilha veredas antigas que serpenteiam as encostas sobranceiras ao rio Tejo, são trilhos ancestrais, construídos ao longo dos tempos por gerações de pastores e camponeses, gente simples respeitadora dos valores da natureza.

São caminhos abertos com habilidade pelas mãos calejadas de um povo que sempre viveu aquilo que a terra lhe dava (...). É um percurso circular, que se desenvolve nas duas margens deste grande rio que é o Tejo, em terras das freguesias de Gavião e de Belver, terras ricas de património e história..."

Fogo lá a beleza que a coisa filosófica queima. Formosa e maravilhosa é ela ou o Fogo mais ardente...

Fala aos seus caros que o texto do jornalista é muita longo e seduz como uma mulher bonita e bela ou lá o éter a ter contornos de uma deusa ou lá a Deusa uma estrela e a mãe do mundo a mais bela é ela...

E mais uma vez a coisa lhe fica pela metade.

Parece que houve o esquecimento de promover a ribeira de Belver, uma maravilha que se lho diga!

É algo que vem do útero dela. Selvagem e muito doce...

publicado por DELFOS às 03:27
19 de Fevereiro de 2011

Do ponto de vista geológico, trata-se de área ocupada, quase exclusivamente, por afloramentos pertencentes ao Maciço Antigo, ou Hespérico, que constituem a ossatura da Meseta, aqui já em posição periférica.
Trata-se de rochas graníticas de idade hercínica, representando o prolongamento, para Norte do Tejo, dos afloramentos alto-alentejanos, e de rochas xistosas, frequentemente metamorfisadas nas zonas de contacto com as primeiras, pertencentes ao grande afloramento xisto-grauváquico das Beiras.
As duas formações antes referidas encontram-se indiferenciadamente cobertas por depósitos detríticos, geralmente grosseiros (cascalheiras e arenitos), atribuídos ao Mio-Pliocénico.
Na topografia actual, correspondem a extensa superfície planáltica, posteriormente retalhada pelos cursos de água actuais que assim individualizam pequenos cabeços, coroados pelos restos daqueles antigos depósitos.
in "João Luís Cardoso e Rogério Pires de Carvalho - Contribuição para a carta arqueológica da freguesia de Belver".
publicado por DELFOS às 08:04

Mas esta freguesia é imensa. É imensa e não tem fim. Não se lhe conhece a linda no tempo. Parece que sempre lá existiu... O blog continuando a "Contribuição para a carta arqueológica da freguesia de Belver" hoje vos leva a um lugar chamado Outeiro. Pertence a estas terras de belver. É o continuar uma nostálgica e acalmada é a viagem pelo corpo dela. O blog gosta tanto quando a coisa acontece e ela lhe diz sempre muito obrigado pelo prazer sentido...

Na cartográfica do mapa a localização é M = 218,9 ; P = 281, 4 ; folha 323, S.C.E. (1:25 ooo).
É na margem esquerda da Ribeira de Canas, num declive de forte inclinação a Lapa do Moniz ela lá se encontra.
Não deixa de ser duas galerias de mineração, abertas paralelamente, e com ligação entre ambas. Estão escavadas no sentido penetrante da encosta e a sua profundidade atinge a ordem dos 40 metros.
Mas não é fácil andar no meio delas. Algumas placas de xisto, provenientes de abatimentos antigos, a circulação é dificultada no seu interior e muito próximo da lapa existe igualmente antigos poços de mineração...
publicado por DELFOS às 02:35

Mas o nome é poético.
Mas o nome é a pura poesia em filosofia...
A capela... O sete... A Fonte ou lá as fontes. E tudo junto parece a mais pura calma em uma irmandade...


É mais um culto matriarcal.
Mariano se o diga e se o registe.
É mais uma mãe no meio de outras mães, filhas apenas de uma Grande Mãe, a mãe de todas as mães do mundo...

Mas o blog pensava e em seu pensamento andava com um penso e que o seu juízo o formava e imaginava que era só a do castelo a coisa se passava e afinal coisa se passa igual na Torre Fundeira. A coisa não deixa de ser igual mais mal do que o pensava e um dia o não acreditava e o julgava lá com o penso...

Mas o blog, "ALENTEJO no NORTE, adiante levando lá esta alma de este povo e sangue de este ser gente continua a registar o trabalho do seu amigo Rogério Pires de Carvalho que um dia lhe deixou nas terras de castelo e do seu amigo João Luis Cardoso também " Contribuição para a carta arqueológica da freguesia de Belver".

Venham daí.
Venham visitar estas terras.
Venham visitar estas terras onde o alto e o abismo fazem um sexo muito maravilhoso.
Elas são belas. Que coisas maravilhosas do outro mundo o são.
Não perdereis o tempo... Apenas vos ganhareis a vós próprios.

"Situa-se nas imediações do lugar de Torre Fundeira, na propriedade do mesmo nome, muito perto do conjunto de antas referido.
É uma construção do séc.XVI, isolada, actualmente utilizada como palheiro e local de arrecadação de alfaias agrícolas. Tanto exterior como exteriormente, foi objecto de profundas transformações que alteraram a sua traça primitiva.
Na parede lateral direita, foi preservada uma placa de mármore branco, onde, em caracteres bem lançados, se pode ler o segundo texto:
ESTA CASA DE NOSA SENRA/DAS SETE FONTES . MADOV/FAZER . BRAS DIAZ . CAPE/LÃO DEL REY . E VIGRO DA CIDA/DE DE CHAUL . O ANO D . 1554 .
Julgamos - assim eles o diziam - que, para além do interesse que haveria em investigar esta personagem, seria importante o estudo e a recuperação deste imóvel, certamente uma das construções mais antigas da Freguesia", mas o blog concorda desde já.
Está assim com os seus botões a si se perguntando se ela não teria já partido para outras paragens.
Se ela partiu já para outras paragens, meus amigos a coisa está mesmo muita perigosa, um país ao Deus dará e sem lá lei e nem lá roque...
publicado por DELFOS às 02:23
18 de Fevereiro de 2011

NÚMERO DE HABITANTES

FREGUESIA DE BELVER

Anos ... População

1864 ... 1479
1878 ... 1640
1890 ... 1926
1900 ... 2160
1911 ... 2471
1920 ... 2494
1930 ... 2646
1940 ... 2983
1950 ... 3017
1960 ... 2618
1970 ... 1990
1981 ... 1563
1991 ... 1184
2001 ... 1026

publicado por DELFOS às 06:56

Quanto a este topónimo - Na Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira - ele povém nítidamente do repovoamento nacional, imposto por D. Sancho I ao local onde se levantassem o castelo e a vila sob defesa deste : de bello-veer (com o arcaico "veer" lat. videre), com "bello" procliticamente reduzido e especialmente por subordinação do conjunto à tónica do segundo vocábulo, referindo-se esta designação aos seus belos panoramas (e muito bonito é a vista que se avista assim o diz o blog) e destinando-se a causar atractivo eufórico dos habitantes...

Mas a pesquisa andando lá pela do Crato, estas aventuras uma coisa continuando a ser ainda um bocado esquisita e não acorda lá na sociológica, o blog encontra o seu amigo Pinho Leal no seu Portugal Antigo e Moderno, "O seu nome provém-lhe da sua bela situação, e foram os cavaleiros de Malta que lho deram, quando edificaram o castelo. Outros dizem que foi D. Sancho".
publicado por DELFOS às 06:42

Foi descoberta em mil novecentos e setenta e três. Neste ano foi circunscrita. Neste ano lhe marcaram os limites. Trata-se de uma estação de superfície. A sua área corresponde a uma simetria e a um contorno mal definido.
Fica situada num retalho das cascalheiras de planalto. A idade - a idade é mio-pliocénica.

"Mas o blog "ALENTEJO no NORTE" pergunta a Rógerio Pires de Carvalho e mas o blog também pergunta a João Luís Cardoso, mas amigos, então o não podias vós ter arranjado ou explicado, outro nome se assim se lhe diga, essa da idade mio-pliocénica é muita pesada e afasta as pessoas, que as pessoas depois não lhe liga nenhuma, ao corpo dela, à arquológica... Enfim! Que assim o pensa e vos diga..."

Na dita, recolheram-se cerca de uma centena de artefactos de quartzito, cuja tipologia se filia no conjunto das indústrias «languedocenses» - "Que irra (!), outro nome lá tão mais longo que o preciso, ou a coisa a lá sete mil e quinhentos e o blog diz assim o não vale...

Pela sua homogeneidade que evidenciam e pela aparente concentração no terreno, estes materiais correspondem certamente a vestígios de um acampamento temporário de um pequeno grupo humano. Outra série, mais antiga, constítuida apenas por onze eemplares pouco característicos, foi considerada como podendo pertencer ao Acheulense - E olha lá que outro...

Fica a localização : M = 213,2 ; P = 281,8 ; folha 322 S.C.E. (1 : 25 000).
publicado por DELFOS às 03:14

"Localização: M=211,7; P=280,2; folha 322, S.C.E. (1:25 000).
Situada numa zona bastante acidentada, com afloramentos graníticos sobre o declive que desce para a Ribeira de Eiras, perto da povoação de Torre Fundeira.

Apresenta sete esteios de grandes dimensões, dos quais quatro emergem do solo a uma altura superior de dois metros; os restantes, assim como a tampa do monumento, encontram-se tombados, como possível consequência de violações antigas.
A câmara, poligonal, com um comprimento máximo de 3,30 metros, encontra-se evidentemente violada; o mesmo não parece ter acontecido na área do corredor, no qual são visíveis quatro esteios, de pequena dimensão. Apresenta igualmente vestígios da mamoa, na zona encostada aos esteios da câmara.

Muito provavelmente, poder-se-á identificar este monumento megalítico com a «anta de belver», mencionada pelo casal Leisner, embora de forma sumária e imprecisa quanto à sua localização.


Trata-se, de facto, do monumento megalítico em melhor estado de conservação na freguesia, motivo que justificou a sua classificação como imóvel de interesse concelhio, no ano de 1984". (1)

(1) in "Contribuição para a carta arqueológica da freguesia de Belver (Concelho de Gavião), de João Luís Cardoso e de Rogério Pires de carvalho"
publicado por DELFOS às 03:04
17 de Fevereiro de 2011

Localização: M= 214,5; P= 281,7; folha 322, S.C.E. (1: 25 000)

Antiga quinta, situada a 2Km para norte de Belver, sofreu, no início deste século, uma profunda reconversão dos solos, facto que achou numerosos achados arqueológicos.

Na sequência desse acontecimento, Félix Alves Pereira, um ano mais tarde, aqui se deslocou, tendo igualmente recolhido materiais que transportou para o Museu.

Considerado, sucessivamente, como um castro, pelo general João d´Almeida, ou como uma cidade, por Mário Saa, facto é que inúmeros vestígios romanos se espalham por toda uma área, sendo de destacar um apreciável conjunto de materiais de construção, em granito, aplicados nos muros que dividem a propriedade. alguns desses materiais, encontram-se guardados no castelo de Belver - Rogério de Carvalho e o seu colega de trabalho afirmam e terminam - um período de ocupação que medeia entre os séculos I e IV.

publicado por DELFOS às 07:13
15 de Fevereiro de 2011

De traça seiscentista, é um imóvel de pequenas dimensões, sóbrio, sem mais ornamentos do que o campanário que se ergue na frontaria. É dedicada a S. João Evangelista.

Nos anos quarenta, na sequência das obras de restauro, foram encontradas duas aras: uma sem referir a divindade, e a outra dedicada ao deus Banda Picius. Este facto originou a hipótese da capela se erguer sobre um local de culto muito mais remoto, que foi assim cristanizado.

Mais uma vez os marotos, o Rogério Pires Carvalho e João Luís Carvalho me estiveram a chatear a cabeça, para eu acabar o registo, ou seja, a sua "Contribuição para a carta arqueológica da freguesia de Belver".

Na nossa pequena conversa me estiveram dizendo "Este trabalho não pretende ser um estudo completo e exaustivo, muito longe disso, mais não é do que um acervo das informações de que presentemente dispomos e que representam um ano de investigação e trabalho.

Só o estudo das diferentes estações arqueológicas, aqui referidas, poderá adiantar novos elementos para um melhor conhecimento do passado desta região - o blog pensa que ela sempre teve muita vida e que sempre existiu no mundo - de profundos contrastes que é afinal o Tejo.

Integrada nesta área geográfica, a freguesia de Belver regista níveis de povoamento mais ou menos intensos, evidenciando estratégias de ocupações diferenciadas e diferentes, consoante as diferentes épocas a que se reportam.

Para preservar estes registos, que ignorância ou incúrias por vezes irremediavelmente detroem, julgamos ser urgente um trabalho sistemático e criterioso, tendente à elaboração de uma Carta Arqueológica local."

Mas carta linda carta, me trazei boas notícias da minha amada, e, mas onde anda ela que deve de andar desvairada...

publicado por DELFOS às 13:17
Abril 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
arquivos
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO